segunda-feira, 26 de março de 2012

Borbulhante - Flora Figueiredo


Guardei meu poema dentro de uma bolha de sabão.
Como não ficar seduzida
pela circunstância lisa e transparente,
onde o arco-íris passeia docemente
e morre de amores pela espuma colorida?

Acomodado na nova moradia,
o poema suspirou e adormeceu.
Quando acordou, já não mais me pertencia.

A bolha de sabão se deslocara
e o poema apaixonado que eu criara
descobriu de repente que era teu.

Flora Figueiredo
In Chão de Vento
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares