Mostrando postagens com marcador Nelson Sganzerla. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Nelson Sganzerla. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 24 de julho de 2012

Quer chegar a Deus? Eleve seus pensamentos! - Nelson Sganzerla

Pois é, você vai dizer: mas que frase mais clichê... Os intelectuais de plantão dirão: pura besteira, pensamentos nada têm a ver com chegar a Deus. Nossa mente sempre tem a tendência a racionalizar aquilo que desconhecemos. Somos precisamente matéria física, acreditamos no que os nossos olhos vêem, naquilo que está próximo a nós, em tudo que nossas mãos possam tocar. Poucos de nós têm a consciência de que tudo que aí está, diante de nós, foi criado pela força do nosso próprio pensamento. Tudo que existe nós próprios fomos os criadores. Quando aqui chegamos a esse planeta, já havíamos pré-estabelecido o lugar onde iríamos dar o primeiro suspiro de vida. Mas quando, finalmente, crescemos e nos tornamos adultos, a nossa mente através do nosso ego, procura racionalizar nossas sensações de que algo mais existe em nosso caminho e nos tornamos céticos em relação à nossa consciência divina. Temos que primeiro ver para depois crer, tal qual a São Tomé em relação aos feitos de Jesus Cristo.

E assim, vamos vivendo, errando aqui, acertando ali, caindo e se levantando, brigando, aceitando. Revoltados com as situações de vida que nos fazem infelizes, amando, odiando, querendo, perdendo, procurando sempre aquele verdadeiro amor que nunca nos chega, ou quando ocorre, não valorizamos e perdemos. Em situações assim adversas, acabamos por contrair doenças graves, tornamo-nos hipertensos, adquirimos depressão e cristalizamos tanto essa nossa condição doente, que muitas vezes o quadro torna-se irreversível.


Pare e pense: como você chegou a isso? Se ao nascer, você era um ser puro e divino, que veio a esse mundo para trazer alegria àquela família que você próprio escolheu... Como aquele sorriso desprendido daquela criança, que hoje você vê só nas fotos da infância, não mais existe? Como você se tornou uma pessoa amarga e descrente da vida?


Eu lhe digo: você mesma através do seu pensamento criou e materializou essa vida de infelicidade, seu pensamento foi e é até hoje o criador de tudo o que vive agora. Aquela criança, que tanta alegria trouxe ao nascer, tornou-se adulta e inconscientemente, deixou que sua mente racionalizasse todo e qualquer momento de emoção que a vida dá e nada cobra. O ego tomou a frente do ser que se tornou adulto e, através da mente, agora comanda a sua vida de tristezas.


Inconscientemente, somos levados a crer em tudo que se apresenta diante de nós, de uma forma física. Não somos treinados a olhar para dentro e, sim, para o que está aí mundo a fora, brilhando diante dos nossos olhos. Uma inversão de valores nos arrasta cada vez mais para o fundo do poço. Hoje se dá importância ao ter, valoriza-se o engodo, ao levar vantagem diante do outro ser semelhante a nós. Atualmente, o homem é só mais um em qualquer vitrine, ou outdoor do mundo.
Hoje o amor só existe por mero interesse das partes envolvidas, por isso tanta desunião e famílias desajustadas, tantas meninas e meninos entregues às drogas; por isso, tanta violência e insegurança, tantos muros altos e carros blindados, tantos crimes e tantas famílias arrasadas.


Você não entende tudo isso? Isso é criado pelo homem através do seu pensamento egoísta, do seu pensamento de lucro fácil, através de suas mazelas e de querer sempre levar vantagem junto ao outro, de querer o poder pelo poder. Não se engane, pensamentos tomam forma e tudo o que aí está é próprio da mente e do ego do homem, daquele que se acha melhor que todos, acima do bem e do mal.
Quer viver feliz, quer encontrar a paz, procure rever seus valores, repensar a sua vida, não deixe que o seu ego, através da sua mente, aprisione você em um mundo de infelicidade. Procure elevar seu pensamento, não querendo tripudiar em cima do seu semelhante. Não se deixe levar por maus pensamentos que muitos querem que você acredite. Creia, somos todos iguais diante de Deus e só chegaremos a ele elevando nossos pensamentos, aqui e agora, pois queiram ou não, Somos todos um.
Pense nisso...

Nelson Sganzerla

sexta-feira, 30 de março de 2012

O fascínio de uma folha em branco... - Nelson Sganzerla

Assim eu acho que é a vida, quando por aqui chegamos, uma folha em branco, para que nela possamos escrever a nossa história. Óbvio que para um escritor a apresentação de uma folha em branco é muita mais instigante e fascinante que para quem não possui o dom da escrita.
Para um poeta a mesma folha em branco lhe aparece dividida em versos, que saltam aos seus olhos e à sua mente.

Em uma folha em branco, Freud o pai da psicanálise escreveu suas obras; Nietzsche a partir de uma folha em branco escreveu “Assim falou Zaratustra”; Shakespeare escreveu Otelo, Romeu e Julieta.

E para você... o que lhe parece ser uma folha em branco? Com quantas folhas em branco você já se deparou em sua vida e perdeu a chance de escrever a sua história, que possivelmente é a mais importante história que você tenha lido, ou poderá ler. Através dela, você possibilita que participem todos que acompanham sua existência.

Perceba a importância de uma folha em branco, coloque-a em frente aos seus olhos e procure imaginar as infinitas possibilidades de histórias que lhe são oferecidas, histórias de amor, de alegria, de bem querer, de sucesso, de convivência feliz, ao escrever cada parágrafo daquilo que você mais quer e ama.

Ao se deparar com uma folha em branco, da próxima vez, olhe-a profundamente e deixe que seus pensamentos fluam como água em uma bica; deixe-os verter e correr montanha, colina ou serra abaixo, deixando marcas por onde passa; procure não deixar a folha da história da sua vida em branco, pois se assim o fizer, não estará permitindo que outros façam parte da sua vida e estará interrompendo um ciclo importante aqui na Terra, que não cabe a você fazê-lo.

Procure deixar o seu legado escrito nessa folha, não importa qual seja ou o que seja, mas deixe-o... as pessoas que virão, irão querer saber quem foi você... E precisarão também decidir se você será o espelho a refletir nas histórias de suas vidas, através daquilo que deixar escrito em sua historia de vida, na sua folha em branco.

Não queira escrever em sua folha em branco somente vitórias. Isso não será possível... Ninguém aqui na Terra conseguirá viver só de vitórias, tolo é quem assim pensar; mas procure escrever e evidenciar em letras maiúsculas para que todos possam ler as suas vitórias que foram realmente importantes e como você fez para realizá-las e se ainda não as realizou; procure escrever também como irá fazer para realizá-las, isso será muito importante para que as pessoas que lhe querem bem saibam.

Procure não omitir os dias de tristeza que teve que passar, dias de dificuldades, que só você bem lá dentro no cantinho da alma sabe quais foram e muito lhe custaram, de choro e lágrimas, às vezes, sozinha no silêncio do seu quarto, mas escreva também como conseguiu enfim...
Depois de tudo, abrir a janela e deixar o sol entrar e trazer de volta ao seu olhar o brilho da felicidade e da esperança por ter aprendido, embora com a tristeza, o verdadeiro significado de viver.

Esse é o fascínio que uma folha em branco exerce sobre nós: a oportunidade de escrever a nossa história de vida...
Só não escreva nessa folha histórias que você não acredita do tipo: embasado na mentira ou na injustiça, na arrogância, no orgulho, na intolerância e com isso vir a causar sofrimento de outro ser humano.
Também não queira parecer um salvador ou contar vantagens e usar de falsa modéstia. É lógico que a folha da sua vida tudo aceitará, afinal, uma folha em branco tudo aceita para lhe fazer valer o livre-arbítrio.
Mas não se engane, em algum momento, a vida irá lhe cobrar e talvez você não possa pagar, nem com todo o ouro do mundo, aquilo de mal que fizer aos outros e também a você.

Mas creia, é fascinante ter uma folha em branco diante de nós. Óbvio que é preciso coragem para começar a escrever. Muitas vezes, você terá que apagar e começar tudo de novo.
Não fique triste... ao contrário do que dizem, a vida nos permite começar de novo, desde que seja sincero e queira de fato fazê-lo, lembra-se do rascunho?

A vida ainda lhe permite isso... antes da história final, você poderá mudar, apagar e consertar o que quiser. Tudo é possível, desde que você queira mudar.

Não dê importância, se acaso não tenha o dom da escrita, o fundamental é que você escreva... Quem ler entenderá... a importância não está na forma da escrita e, sim, no ato de escrever, em sua folha em branco, a história da sua vida e sentir o mesmo fascínio que eu sinto agora, escrevendo para você nessa minha folha em branco.

Pense nisso.

Nelson Sganzerla 

segunda-feira, 26 de março de 2012

Palavras são sementes - Nelson Sganzerla

Em geral, costumamos não dar muita importância às palavras. Todos nós conhecemos pessoas que falam demais, que a tudo criticam e que de tudo se lamentam ou reclamam. Puxe pela memória e certamente você se lembrará de alguém que seja assim.

Pessoas que nas entrelinhas sempre reclamam da sua atual situação, seja financeira, seja amorosa, ou de trabalho, esses sempre estão no passado procurando justificar um presente, geralmente insatisfeitos com sua situação atual, não têm sorte, sempre são injustiçados e sempre existe algo ou alguém para colocarem a culpa.

Não entendem que o que os leva a essa situação de insatisfação e infelicidade são eles próprios, pela maneira que se posicionam em relação à vida, em relação a tudo aquilo que falam e costumam carregar como fardo às costas durante a sua vida terrena, ignoram que somos aquilo que pensamos e que falamos. Seja amargo, negativo e pessimista em relação à vida e a vida irá lhe retribuir da mesma maneira.

O universo trabalha assim, tudo é reação diante de uma ação, seja boa ou má de uma maneira ou de outra você terá sempre essa reação, não fosse assim criminosos teriam uma vida eterna e nunca iriam sucumbir diante de outro criminoso e teriam vida longa, mas sabemos que não é assim e temos exemplos recentes.

Você só atrai aquilo em que pensa e que fala. Passe a vida reclamando da sua situação de infeliz e receberá só a infelicidade. Assuma uma postura de perdedor e perdedor você será ao longo da vida... Isso é fato e não pense que irá mudar, pelo contrário, você irá atrair perdedores iguais a você ao seu redor e sempre irá conviver com pessoas infelizes e medíocres.

Tudo são vibrações e movimento e você, através dessa baixa vibração, irá atrair desentendimentos, infelicidade. Procure observar isso, geralmente em famílias que só se desentendem que só geram problemas, empresas que patinam e não progridem, funcionários negativos e problemáticos que, onde estão, prejudicam toda uma equipe, vibram todos em baixa; são pessoas pesadas em que a simples presença nos faz mal.

Algo acontece conosco lá atrás na infância, seja algum problema com os pais, algum problema grave com alguém da família, uma separação conturbada, uma infância molestada, um abandono de uma mãe, sempre desencadeia uma formação adulta negativa e pessimista e geralmente não se dá conta; e está aí criado um adulto pessimista e totalmente negativo na postura e nas ações.

Não quero aqui dizer que a vida seja sempre repleta de fatos felizes, que tudo é maravilhoso e que sempre exista um passarinho verde em nossa janela todas as manhãs; pelo contrário, na maioria das vezes, é repleta de batalhas, mágoas, dissabores e todo tipo de infelicidade, mas temos que superar sempre cada obstáculo como um guerreiro e vencê-los com postura de vencedor, que sabe que tem que passar por percalços e dificuldades, mas tem a certeza da vitória.

O vencedor cai e se levanta, sofre de solidão porque está sempre na contramão da história, geralmente é tido como um sonhador, um romântico um otimista sem noção de realidade, por isso, em geral está só em sua batalha pelo sucesso e pela prosperidade.
Você nunca verá um vencedor que não tenha sido criticado e falado em roda de invejosos e perdedores.

Você nunca verá um vencedor que não tenha provocado a inveja daqueles que não têm ousadia e se escondem na mediocridade, você nunca verá um vencedor que pense pequeno e que possua horizontes curtos e estreitos.

Mas, em geral, você verá perdedores reclamando sempre da sua situação atual perante a vida, da sua malfadada empreitada em algum negócio, do tempo em que era feliz e não sabia, de determinado emprego que lhe proporcionava certa zona de conforto.

Vencedores caminham sempre na contramão da história e sabem o preço que se tem a pagar pelo sucesso e pela prosperidade, sabem que todo pensamento negativo leva à infelicidade e ao fracasso. Sabem que tudo é construído com uma postura altiva e com uma mente positiva e que não importa o tempo de espera.
Sabem que palavras são sementes semeadas tanto para o sucesso como para o fracasso, portanto, procuram sempre tomar cuidado naquilo que dizem.

Pense nisso.

Nelson Sganzerla 

sexta-feira, 23 de março de 2012

A liberdade está prisioneira dentro de você, liberte-a! - Nelson Sganzerla

O que todos nós buscamos para comandar as rédeas do nosso caminho, o leme do nosso barco (desculpem as frases clichês) é a felicidade, buscamos intensa e incansavelmente e, porque não dizer, até desesperadamente.

Todos nós, seja em qualquer canto desse planeta, procuramos ser felizes. Pergunte a um marajá na Índia, a um presidente de uma grande multinacional americana, a um pedinte em qualquer esquina do mundo, a um sheik em Dubai... 
O que eles querem e desejam na vida? Dentre tantas coisas, eles certamente responderão: queremos a felicidade. 

Mas, existe, entre a variedade de itens que compõem a felicidade, um ingrediente que necessariamente terá que fazer parte desse maravilhoso e delicioso bolo, sem o qual não permitirá que cresça e delicie a todos em nossa volta e ficaremos meio que tolhidos na nossa maneira de pensar agir e falar.

Falo do ingrediente liberdade, que tem que caminhar junto com a felicidade. Sem esse ingrediente, nunca seremos felizes por completo, sempre nos faltará aquela agradável sensação do vento em nosso rosto, sensação de bem-estar e de leveza em nossas ações, e é fundamental exercê-la, óbvio, com responsabilidade, sabendo onde termina a nossa liberdade e se inicia a do outro.

Não se pode mais viver confinado em trincheiras, lutando contra valores arcaicos, valores que insistimos em carregar por gerações. Não se pode mais ser refém do complexo do medo e prisioneiro do preconceito. Não existe mais espaço para a tortura da ignorância, é necessário tomar a montanha, fincar nossa bandeira e expandir horizontes, soltar amarras, e de uma vez por todas deixar de fazer aquilo que outros direta ou indiretamente querem nos obrigar...

A ignorância, o complexo, o preconceito roubam nossa liberdade de existir plenamente. Toda vez que nos submetemos a imposições que não queremos, toda vez que alguém procura obter vantagem em algum negocio, toda vez que calamos diante de alguma injustiça, estamos aprisionando mais e mais a nossa liberdade e deixando de ser livres para com a nossa vida que nos é tão preciosa, e por isso devemos amá-la. 

Viver em função daquilo que os outros acham, daquilo que os outros querem. Carregar em nossas costas fardos e muitas vezes valores que não são nossos, deixar que coloquem em nossos tornozelos bolas de aço ou, em nossa mente, idéias e pensamentos mesquinhos, é fechar a janela do nosso eu; é trancar a porta da nossa liberdade, é permitir que pensem por nós, que queiram por nós, que até amem por nós.

Veja a televisão, veja os jornais.O que você faz diferente daquilo que você, lê e assiste? Tornamo-nos mal educados, porque se banalizou a educação; somos violentos, porque a paz também está banalizada; somos inseguros porque o convívio entre as pessoas também não mais existe; não existe cortesia, porque não existe mais o cortês.

Não somos muitas vezes livres porque deixamos que tranquem a porta da nossa liberdade que é nosso direito, quando aceitamos todos os desmandos, as mazelas, a insegurança, as mesmices, as idiotices e todo tipo de preconceitos, quando vivemos e pensamos igual. A "unanimidade é burra" nunca foi parâmetro para o certo e para o errado; nunca se deixe levar por uma maioria, que você não confie. 

Seja pleno, seja inteiro, seja livre, seja feliz e nunca deixe que o (a) conduzam para onde você não queira ir. Reflita sempre e não permita que aprisionem a liberdade que é sua por direito. Liberte-a e seja feliz!

Pense nisso.

Nelson Sganzerla

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Ainda Há Tempo... - Nelson Sganzerla

Há tempo de rever velhos conceitos que carregamos durante décadas e não nos damos conta de que já estão ultrapassados.

Ainda há tempo de terminarmos aquele curso que interrompemos, por falta de dinheiro ou de paciência ou porque alguém nos disse que não deveríamos fazê-lo.

Ainda há tempo de parar de fumar, de fazer exercício e de aprender a nadar.

Ainda há tempo de olhar para a vida sob outra ótica e melhorarmos a sua qualidade, deixando de lado as preocupações que nos atormentam na hora de dormir.

Ainda há tempo de ensinarmos nosso filho a andar de bicicleta e a jogar xadrez, de contarmos histórias, tempo de escutarmos os mais velhos.

Ainda há tempo de amar, de chorar, gargalhar, de sair na chuva sem culpa por chegar molhado e sem medo do resfriado.

Ainda há tempo de comprar um cachorro, de ouvir Jimmy Hendrix e de tomar um cuba-libre; tempo de sentar na calçada e atravessar a madrugada sem pensar em nada.

Ainda há tempo de escrever um livro, de fazer uma horta e de comer jabuticaba do pé; tempo de cantar no chuveiro e assistir uma ópera.
Ainda há tempo de saltar de pára-quedas, de voar de asa-delta, de fazer serenata, de namorar e beijar na boca.

Ainda há tempo para ser poeta, de estudar filosofia e conhecer a Vila Madalena; tempo de ir com a amada comer feijoada e trocar confidências.

Ainda há tempo de comprar uma moto, de fazer rapel ou andar de jipe; tempo de ter dezoito ou noventa anos com saúde e honestidade.

Ainda há tempo de fazer um spaghetti, de abrir um vinho, comer pastel na feira e de encarar uma fila de banco no dia cinco de cada mês.

Ainda há tempo de tomar café no aeroporto de madrugada e de ler a manchete fresquinha do jornal de domingo.

Ainda há tempo de sair mais cedo do escritório pra jogar boliche ou andar de kart.
Tempo de sair da janela e ir lá embaixo enfrentar o tráfego só pra chegar em casa mais cedo.

Ainda há tempo de acreditar em Deus, tempo de rezar por um ente querido que se foi, de abrir o coração e reconhecer que erramos.

Ainda há tempo de corrigir erros do passado, praticar a humildade e fazermos aquilo que, no fundo, sabemos que tem que ser feito, surpreender.

Ainda há tempo de limpar a gaiola do passarinho, de levar o cachorro pra passear e conversar com seu vizinho.

Ainda há tempo de dar o real valor a você aos que lhe amam.
Há tempo de saber que a vida é como uma roda em movimento ladeira abaixo. Se parar, ela irá cair; se não for dirigida ou contida, irá destruir quem encontrar em seu caminho.

Portanto o ainda não existe, tudo depende de nós e sempre haverá um tempo para a vida.

O tempo não para, e o ainda pode passar.. aproveite enquanto ainda há tempo..

Nelson Sganzerla