Mostrando postagens com marcador Bertolt Brecht. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Bertolt Brecht. Mostrar todas as postagens

sábado, 3 de março de 2012

Nada é impossível de mudar - Bertolt Brecht

Nada é impossível mudar.
Desconfiai do mais trivial,
na aparência singelo. 
E examinai, sobretudo, o que parece habitual. 
Suplicamos expressamente: 
não aceiteis o que é de hábito como coisa natural,
pois em tempo de desordem sangrenta, 
de confusão organizada, 
de arbitrariedade consciente, 
de humanidade desumanizada,
nada deve parecer natural 
nada deve parecer impossível de mudar.

Bertolt Brecht

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Elogio do esquecimento - Bertolt Brecht

Bom é o esquecimento!
Senão como se afastaria o filho
Da mãe que o amamentou?
Que lhe deu a força dos membros
E o impede de experimentá-la.

Ou como deixaria o aluno
O professor que lhe deu o saber?
Quando o saber está dado
O aluno tem que se pôr a caminho.

Para a velha casa
Mudam-se os novos moradores.
Se os que a construíram ainda lá vivessem
A casa seria pequena demais.

O forno esquenta. Já não se sabe
Quem foi o oleiro. O plantador
Não reconhece o pão.

Como se levantaria pela manhã o homem
Sem o deslembrar da noite que desfaz o rastro?
Como se ergueria pela sétima vez
Aquele derrubado seis vezes
Para lavar o chão pedroso, voar
O céu perigoso?

A fraquesa da memória
Dá força ao homem.

Bertolt Brecht