Mostrando postagens com marcador Andrea de Godoy. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Andrea de Godoy. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Abertura - Andrea de Godoy



Não sei me preocupar com problemas futuros,
Não sei rir do que não acho graça,
Não sei fingir com o que não me toca,
Não sei molhar o pé sem molhar a roupa,
Tomar banho sem lavar o cabelo,
Não sei olhar alguém sem enxergar-lhe a alma,
Não sei olhar para o céu sem me sentir livre,
Não sei olhar um bicho sem sorrir,
Não sei olhar para você sem me entregar inteira,
Sem mergulhar, sem te querer para mim...
Eu sei viver as minhas verdades,
Acredito sempre no que sinto,
Mas não gosto de frases feitas, de saberes prontos, de rotinas perfeitas,
Não gosto de receita de bolo, de uniforme, de críticos profissionais,
Não gosto do socialmente aceitável, do esteticamente correto, de falsos intelectuais,
Eu gosto de história em quadrinhos, de livro de filosofia,
Gosto de romance, de drama,
Só não gosto de jornal,
Jornal suja a mão, tem notícia triste, não gosto de jornal...
Gosto de fotografia,
De café com conversa,
De chuva na vidraça
Gosto de silêncio,
Eu gosto muito de silêncio fora, mais gosto ainda mais quando há silêncio dentro de mim,
Gosto de andar na praia,
Gosto de sorvete, mesmo no inverno,
Gosto de banho demorado,
Gosto do teu riso,
Não só o sorriso, o riso mesmo, aquele que te faz parecer um menino...
Gosto de pessoas felizes, gosto daquelas que são profundas,
Sei reconhecer o valor da tristeza,
Mas prefiro sempre a alegria,
Adoro tempestades e aquele vento que tudo varre,
Gosto de misturar doce e salgado,
De dormir até tarde,
Gosto de assistir desenho animado, mesmo aqueles que eu já vi muitas e muitas vezes,
Gosto de ouvir as pessoas falando,
Mas quando elas falam de coração, quando elas se despem, se abrem,
Hoje, eu gosto mais de gente do que gostava antes,
Porque, hoje, a minha casca é mais fina,
Eu não me protejo tanto,
Gosto mais de mim, hoje, do que gostava antes,
Porque de tanto me proteger, às vezes, nem eu mesma me via,
E, hoje, eu me mostro para quem quiser ver...
Para quem puder ver...

Andrea de Godoy