sábado, 7 de julho de 2012

As horas pela alameda - Fernando Pessoa


As horas pela alameda
Arrastam vestes de seda,

Vestes de seda sonhada
Pela alameda alongada

Sob o azular do luar...
E ouve-se no ar a expirar -

A expirar mas nunca expira -
Uma flauta que delira,

Que é mais a ideia de ouvi-la
Que ouvi-la quase tranquila

Pelo ar a ondear e a ir...
Silêncio a tremeluzir...

Fernando Pessoa

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares