domingo, 25 de novembro de 2012

Felicidade - Manuel Bandeira


A doce tarde morre. E tão mansa
Ela esmorece,
Tão lentamente no céu de prece,
Que assim parece, toda repouso,
Como um suspiro de extinto gozo
De uma profunda, longa esperança
Que, enfim cumprida, morre,descansa...

E enquanto a mansa tarde agoniza,
Por entre a névoa fria do mar
Toda a minhalma foge na brisa:
Tenho vontade de me matar!

Oh, ter vontade de se matar...
Bem sei é  cousa que não se diz.
Que mais a vida me pode dar?
Sou tão feliz!

- Vem, noite mansa...

Manuel Bandeira In O Ritmo Dissoluto

Um comentário:

  1. A quantas recordações e sensações nos remte este belo poema deste doce poeta...
    Gosto muito.
    Abraços e lindo domingo

    ResponderExcluir