sábado, 3 de agosto de 2013

Estranho tempo - Paulo Roberto Gaefke


Estranho tempo em que temos tantos aparelhos para ganhar tempo,

e não temos tempo para contemplar o simples, o que é belo…Estranho tempo em que pessoas decidem levar vantagens sobre as outras,
e dizem que se amam, que se respeitam…

Estranho tempo onde a estação de frio tem calor, e na de calor esfria.
E as pessoas acham tudo lindo, de acordo com suas conveniências.

Estranho tempo onde as mentiras parecem verdades absolutas,

e muitas verdades já são consideradas mentiras.

Estranho tempo onde se diz “eu te amo” com tanta facilidade,
que as vezes não dura dois cliques do velho mouse…

Estranho tempo onde ser feliz é “possuir”, é o “ter”,

até a dor nos visitar e lembrar-nos que é preciso “ser”.

Estranho tempo onde não conversámos, teclamos.

Já não fazemos amor, sensualizamos.
Já não nos beijamos apaixonadamente, trocamos de boca.
Já não temos tempo para um banho demorado, nos lavamos.

E no meio de tantos desencontros, almas aflitas gritam,
no meio da depressão que nos consome, buscam carinho.
Carinho que se perdeu na troca fria de mensagens,
que hoje já não valem mais nada.

Estranho tempo, onde temos saudades do que ainda não vivemos.

Paulo Roberto Gaefke

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares