quarta-feira, 10 de abril de 2013

Geração Big Brother - Padre Léo

Na medida em que acredita que existem soluções fáceis e rápidas para os problemas, o ser humano vai se acomodando e não se prepara mais para a batalha da vida. Torna-se um ser humano enfraquecido. Apequenado. Que não acredita mais na capacidade de auto-superação.

Quanto menos luta menos a pessoa tem vontade de lutar. Apequenado, o ser humano moderno é alguém vazio, sem conteúdo e sem ideal, dominado pelos ídolos do ter, do poder e do prazer. É o ser humano big brother, capaz de fazer de tudo para conseguir sucesso e poder gozar a vida sem limites, sem restrições.

Quando uma pessoa causa problemas ao homem big brother, ele aprende a eliminar a pessoa e não os problemas. Se o outro é obstáculo para meus sonhos, devo dar um jeito de tirá-lo do meu caminho. Não importa que instrumentais eu vou usar. O importante é eliminar a concorrência.

O big brother é um individuo que só pensa em si, não tem referenciais e vive mergulhado num vazio ético. Ele é capaz de fazer sacrifícios horríveis, até comer coisa estragada, desde que seja em função de um objetivo claro e definido: poder ir eliminando todas as pessoas, até chegar ao topo, e saborear a vitória.

Essa pessoa pode até conseguir algum dinheiro, mas não é uma pessoa feliz. Se a felicidade tivesse relação direta com o dinheiro, jamais encontraríamos um rico infeliz. E é praticamente o contrário. Nunca conheci uma família rica que fosse verdadeiramente feliz. No máximo, consegue esconder suas frustrações e problemas.

Para se dar bem nessa geração big brother é preciso ser muito prático, ter coragem para fazer qualquer coisa, ser relativamente bem informado, não se prender aos valores humanos, ser capaz de se interessar por tudo, mas sempre de modo superficial. Além disso, é preciso ser alguém que tenha a cara de pau suficiente para ser trivial e frívolo, para aceitar tudo. A permissividade é uma das suas marcas registradas. Temos assim uma pessoa com fraqueza de pensamentos, sem nenhuma firmeza em suas convicções e completamente indiferente aos problemas das outras pessoas.

A cultura big brother se faz de pessoas lights. Infelizmente, para ser feliz nessa cultura a pessoa precisa pautar sua vida pela mediocridade. Do mesmo jeito que a pessoa come sem correr nenhum risco de engordar, já que o alimento é mágico, a pessoa vai vivendo de modo superficial e medíocre.

Essa cultura gera uma pessoa fria, sem fé verdadeira e sem convicções profundas. É uma pessoa que muda de opinião, conforme muda o vento, já que vive para agradar os outros e para se satisfazer com o outro.

A pessoa big brother vive de modismos. É uma pessoa descartável. Do mesmo jeito que os canais de televisão dão um jeito de descartar as pessoas que não atingem determinados índices de audiência, a pessoa big brother também elimina quem não satisfaz seus interesses imediatos. Nesse sentido é importante eliminar os vínculos, os valores que me prendem às pessoas. Igreja e família são dois grandes obstáculos na vida do ser humano light.

Quem não têm referenciais, acaba também perdendo seu objetivo, sua meta de vida. A pessoa passa a viver unicamente para si mesma e para o seu prazer. Quanto mais irrestrito, melhor.

O big brother vive em busca do prazer. O prazer está acima de tudo e de todos. Sem nenhuma restrição, a qualquer preço. Para se viver bem, deve-se evitar a luta e, especialmente, o sofrimento.

A única coisa que vale é o prazer, não importa seu preço. Não se questiona se é um prazer lícito, salutar, abençoado por Deus. O prazer tem um valor em si mesmo. Para consegui-lo vale qualquer caminho. Ele é o bem maior, diante do qual tudo e todos devem ser sacrificados.

Como a pessoa vive para o prazer, sem limites, quanto mais possui coisas, mais se sente feliz, porque o ter virou sinônimo de liberdade. Quanto mais tenho, mais livre sou. Faço o que quero, quando e como quero. Só é livre quem tem bens materiais em abundância, de preferência, da última moda.

Por isso essa pessoa light não pode criar vínculos com nada e nem com ninguém, pois o consumismo se fundamenta na capacidade de substituir. O melhor é sempre o novo. Ninguém troca algo que tem valor afetivo. Então, o melhor é não se apegar às coisas. O melhor é sempre aquilo que ainda não tenho. Minha felicidade está escondida naquilo que não possuo.

Para sustentar e solidificar tudo isso é preciso viver a doutrina prática do materialismo, onde o valor da pessoa está naquilo que tem. Mas não se trata de simplesmente possuir um bem que satisfaça minhas necessidades fundamentais de moradia e locomoção, por exemplo.

Nesse materialismo a pessoa nunca poderá se contentar com o que tem. É preciso sempre querer algo novo. Não se trata mais de suprir uma necessidade, mas de criar novas e até falsas necessidades, que possam nutrir o consumismo. Se a liberdade da pessoa é definida a partir do que possui, ser livre é possuir cada vez mais. Também aqui não existe uma preocupação com os aspectos éticos. Tudo é permitido. Importa ter cada vez mais.

Nada é proibido ou imoral. O importante é não ser descoberto. Não interessa os meios que uso para adquirir as coisas, interessa é possuí-las conforme manda a moda.

Padre Léo, SCJ


Trecho do livro Saborear a Vida
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares