domingo, 6 de janeiro de 2013

Quanto tempo dura a sua paixão? - Rosana Braga

Há quem se apaixone facilmente, muitas vezes durante a vida. Há quem raramente se entregue a essa avalanche de sentimentos. E há ainda quem afirme que jamais se apaixonou. Mas, para a maioria, a ideia de se apaixonar por alguém tende a parecer sempre algo muito bom, prazeroso e quase uma sorte ou privilégio.

Por essas e outras, embora existam várias pesquisas sobre o tema, a vida nos mostra que a paixão é - como qualquer outro sentimento - muito pessoal. Cada um tem seu jeito de sentir, interpretar e, principalmente, de demonstrar.

Claro que dá para analisar essa dinâmica a partir das semelhanças e das recorrências. E, então, os estudos podem nos ajudar a compreender para que serve a paixão e por que ela pode ser tão intensa e até assustadora algumas vezes. 

Recentemente, uma pesquisa apontou que a duração da paixão, ou do entusiasmo diante de um novo amor, dura por volta de dois anos. Fiquei pensando sobre esse tempo e tentando compreender por que é que, tantas vezes, termina parecendo que a paixão é mais interessante e empolgante que o próprio amor...

Se interpretarmos fielmente, paixão significa sofrimento. E isso pode explicar a angústia, a ansiedade e a confusão de sentimentos e sensações que ela, geralmente, provoca. Mas se interpretarmos por um viés mais popular, podemos dizer que paixão tem a ver com empolgação, urgência do outro, desejo intenso, alegria, bem-estar e vontade - muita vontade - de compartilhar vida e intimidades com alguém em especial.

De uma forma ou de outra, o fato é que ela tende mesmo a diminuir com o tempo. Ou melhor, tende a se transformar. Ou em nada, findando a relação quando se percebe que ela não evoluiu. Ou em amor, quando ela amadurece e ganha em profundidade e conteúdo.

O problema começa quando as pessoas acreditam, equivocadamente, que amor é que não inclui paixão. Ao contrário do que muitos pensam, amor e paixão não só podem como devem andar juntos ao longo dos anos. Mas, para que isso aconteça, é preciso que haja disponibilidade e empenho dos casais.

Amor apaixonado é amor atento. Amor de gente grande. Amor de quem sabe o que quer e refaz sua escolha repetidas vezes. Amor com paixão tem a ver com pessoas apaixonantes. É um tanto óbvio: para que a paixão sobreviva, é preciso haver dois amantes apaixonados e vivos e vibrantes e atuantes e envolventes.

E o segredo está em compreender que raramente os dois estarão amando apaixonadamente ao mesmo tempo e na mesma medida. Por isso é que um casal precisa ser uma equipe. Quando um arrefece, o outro esquenta. Quando um se cansa, o outro dá ânimo. Quando um fica tenso e irritado, o outro acalma e aquieta. 

Senão, a relação se torna um constante "bater de frente", sempre se machucando um ao outro ou tentando se perdoar um ao outro. Uma montanha-russa de extremos altos e baixos que desgasta, descolore e desapaixona o amor. Até o dia em que um dos dois - ou os dois - já não consegue mais se reapaixonar. E daí sim, o amor vai ficando morno, sem graça, sem aquele entusiasmo tão especial que o torna forte para vencer qualquer desafio!

Sendo assim, invista no amor apaixonado sabendo que esse sentimento só pode existir quando você se propõe a ser um amante apaixonante! Uma questão de escolhas e atitudes!


Rosana Braga
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares