domingo, 16 de setembro de 2012

Os caminhos do pranto - Adalgisa Nery


Há prantos se abrindo em cada corpo
Em cada forma, em cada cor, em cada sono,
Em cada fonte e em cada porto.
Há prantos de sangue em cada estrela,
Em cada vento há prantos semeando
O ódio e a fome, constantes sentinelas
Das vidas nascidas por acaso.
Prantos nos arbustos florescendo vermes,
Nos rios sufocando peixes,
Nos ventres parindo raízes
De torturas selecionadas em feixes.
Há prantos de horror
Sob a roupagem dourada do astronauta
Que se move na placenta do infinito
Como feto no útero da fuga desejada,
Pranto fundo em cada anseio de amor,
Em cada alegria de vida,
Em cada esperança de paz prometida.
Há prantos se alongando
Sobre todas as coisas diferentes, iguais ou indiferentes,
Sobre todas as distâncias paradas
Na convulsão de todas as mentes.
Pranto violento substituindo o sangue
Nas veias do homem irmão,
Contagiando a seiva das árvores,
Resfriando o calor do sol,
Amputando a ternura espontânea da mão.
Há um pranto crescente e intenso
Anulando o direito de cada um
Morrer em paz no seu espaço vazio e imenso.
Adalgisa Nery In Erosão, 1973 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares