quarta-feira, 30 de maio de 2012

Parábolas de Vida - Teste de integridade


Em um antigo mosteiro do Nepal, os monges enfrentavam sérias dificuldades financeiras. O tem­plo estava em ruínas, mal tinham para o sustento diário. Viviam de doações e esmolas. Muitos monges começaram a reclamar das más condições de vida, da fome e da falta de tempo para meditar, uma vez que passavam muito tempo pela cidade pedindo esmolas.

O mestre respondeu às reclamações com uma proposta:

- Eu tenho uma solução simples para reformar­mos o templo e encontrarmos mais tempo livre para meditar e estudar.

Os discípulos se reuniram ao redor do mestre, curiosos para ouvir a solução de seus problemas. O mestre prosseguiu:

- Cada um de vocês deve ir até a cidade e roubar algo valioso, que possa render um bom dinheiro para o mosteiro. Com o dinheiro que vocês conseguirem, teremos uma boa quantia.

Uma onda de perplexidade e murmúrios tomou conta do lugar. Os monges se perguntavam como o mestre pode dar uma ordem dessas, tão antiética. Como tinham grande confiança no mestre, ninguém questionou.

O mestre prosseguiu:

- A única coisa que peço a vocês é que roubem apenas quando tiverem a certeza de que ninguém está olhando. Não quero que vocês manchem a nossa honra e o nosso reconhecimento junto ao povo da vila.

Assim que o mestre saiu da sala, todos começa­ram a planejar o que iriam roubar na vila e como proceder. Muitos ainda estavam incrédulos e dis­cutindo com os colegas, pois roubar é errado. Não entendiam a ordem do mestre.

Depois de certo tempo, todos já tinham um pla­no e saíram para a vila. A principal preocupação, porém era não serem pegos, para não difamarem o mosteiro. Apenas um monge permaneceu no mostei­ro. O mestre, ao andar pelo pátio, viu esse monge e foi ao seu encontro. 

- O que você está fazendo aqui? - perguntou.

- Eu fiquei pensando sobre a sua instrução de roubar apenas quando ninguém estiver olhando e vi que isso será impossível. Não importa onde eu vá ou quanto tempo eu esperar, sempre estarei olhando para mim mesmo. Meus olhos me verão roubando. - disse o jovem monge.

- Que pena que você foi o único a ver isso. Eu estava testando a integridade dos meus discípulos e você foi o único que passou no teste.

Para refletir

Testes de integridade são muito comuns em nosso dia-a-dia. Subornos, propinas, jabás, comissões, mensalões são várias formas de nos corromper. Às vezes, um pedido simples do chefe ou de um amigo pode pôr-nos em uma situação complicada, na qual devemos escolher entre atender ao pedido ou ser coerente com nossa consciência. Ambas as ações terão consequências e deveremos assumi-las com seriedade. Tente ser sempre fiel aos seus princípios, mesmo que isso às vezes entre em conflito com as outras pessoas. Questione os pedidos que lhe são feitos. Às vezes, eles são exatamente um teste de confiança. Você deve ser o juiz das suas ações, por isso seja muito rigoroso na defesa de suas virtudes.

Darlei Zanon - Parábolas de Virtude
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares