sábado, 11 de fevereiro de 2012

Fazendo amor - Osho

O amor precisa ser acalentado e saboreado muito lentamente, para que ele banhe o seu ser e se torne uma tal experiência de gozo que você deixe de existir como ego. Não é que você esteja fazendo amor - você é amor.

O amor pode se tornar uma energia maior à sua volta. Ele pode transcendê-lo e a seu amado de forma que ambos se percam nele. Mas, para isso, você precisará esperar. Espere um momento e logo terá o jeito para isso.

Deixe que a energia se acumule e deixe que aconteça espontaneamente. Aos poucos você perceberá quando o momento surge. Você começará a perceber os sintomas, os pré-sintomas e não haverá dificuldade.

Se não surgir o momento em que você naturalmente entra no ato do amor, espere; não há pressa.
A mente ocidental tem muita pressa - mesmo ao fazer amor, isso é algo a ser feito às pressas e pronto. Essa atitude está completamente errada.

Não se pode manipular o amor. Ele acontece quando acontece. Se ele não estiver acontecendo, não há com o que se preocupar. Não o torne uma viagem do ego em que de qualquer modo você precisa fazer amor.

Isto também está presente na mente ocidental: o homem acha que necessariamente precisa atuar. Se ele não estiver conseguindo, ele acha que não é suficientemente macho. Isso é tolice, é estupidez.

O amor é algo transcendental, não se pode manipulá-lo. Aqueles que tentaram perderam toda a sua beleza. Então, no máximo, ele se torna um alívio sexual, mas todos os reinos sutis e mais profundos do amor permaneceram intocados.

Osho, In Osho Todos os Dias


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares